execuções/morte humana/religião/rituais

SACRIFÍCIOS

Um sacrifício humano consiste no ato de sacrificar um ou mais seres humanos para algum fim, usualmente de cunho religioso. Tal prática remonta desde a Antiguidade, quando matavam-se pessoas ritualmente de forma que agradasse algum deus ou força espiritual. Apesar das

tentativas de se eliminar tais práticas, ainda há alguns grupos ou culturas que praticam sacrifícios humanos nos dias atuais.

Ocasiões em que se sacrificavam homens:

  • Para a criação de um novo templo ou ponte;
  • Quando da morte de um rei ou membro do alto clero, para que o sacrificado servisse ao morto na próxima vida;
  • Em tempos de desastres naturais. Secas, terremotos, erupções vulcânicas, maremotos, etc, seriam sinais de fúria dos deuses – sacrifícios eram a forma de acalmá-los.

Algumas civilizações da atual América Central praticavam o sacrifício humano. Os Astecas eram um caso especial pois praticavam tal sacrifício em grande escala; um sacrifício humano seria feito todos os dias para ajudar o Sol a nascer, em homenagem ao grande templo de Tenochtitlán, entre outros.

Existem vestígios de que a Civilização Minoica praticava sacrifícios humanos. Corpos sacrificados foram encontrados em numerosos locais na cidadela de Cnos

sos em Creta. Um achado na Casa Norte em Cnossos numerou 337 ossos de crianças aparentemente chacinadas. É possível que o tenham sido para consumo humano, na tradição de oferendas da civilização helênica. Não há prova de ter sido uma prática disseminada pela Civilização Minoica. É possível que os sacrifícios humanos em Creta sejam casos especiais, pois em Cnossos, naquela época, ocorreu um tremendo desastre natural tectônico no local onde se acharam, preservados. Assim, tais sacrifícios humanos poderiam ser explicados pelo desespero Minoico em face da catástrofe e não como rotina. O templo de Anemospília em Cnossos exemplifica tal opinião. Nele se encontraram vestígios do sacrifício de um adolescente, interrompido pelo colapso do templo sobre os participantes por um sismo ocorrido no momento.

O mito de Teseu e do Minotauro (situado no labirinto de Cnossos) evidencia que o sacrifício humano era comum. No mito, diz-se que Atenas enviou sete rapazes e sete raparigas para Creta como sacrifício ao Minotauro. Os achados arqueológicos evidenciam que a maioria dos sacrifícios era de jovens ou crianças. Tal corrente de opinião contrasta com a corrente utópica dos minoicos divulgada pelo arqueólogo Arthur Evans.

O sacrifício humano ainda acontece actualmente como prática secreta em certas religiões tradicionais, por exemplo nas matanças Muti. O sacrifício humano hoje já não está tipificado em nenhum código penal do mundo, pois tais casos são considerados assassínio.

Muitas pessoas na Índia são fiéis de uma religião chamada Tantrismo; pequena percentagem de praticantes Tantricos sem escrúpulos induzem pessoas ao sacrifício humano, com a promessa de provocar a gravidez em casais estéreis. O Sacrifício humano é um assunto comum nas religiões e mitologia de diversas culturas.

O Cristianismo e o Judaísmo Messiânico acredita que a morte de Jesus (Yeshua) foi o perfeito sacrifício que pode nos purificar de pecados.

O HOMEM DE VIME

Homem de vime (também chamado de homem de palha) era uma grande estátua de vime representando um ser humano usada por antigos druidas (sacerdotes do paganismo celta) para o sacrifício humano, queimando-o em efígie, de acordo com relatos de Júlio César no seu Commentarii de Bello Gallico (Comentário sobre as Guerras da Gália). Em tempos modernos, a figura tem sido adotada por festivais como parte de algumas cerimônias temáticas neopagãs, obviamente sem o elemento do sacrifício humano.

Apesar de não ter havido testemunhas oculares do ritual, os relatórios de César indicam que alguns dos gauleses construíam as efígies de paus e colocavam homens vivos em seu interior, em seguida, ateavam fogo para prestar homenagem aos deuses. César escreve que, apesar de os druidas geralmente usarem ladrões e criminosos, conforme a a vontade dos deuses, às vezes usavam homens inocentes, quando delinquentes não podiam ser encontrados.

Um comentário medieval do século X chamado Commenta Bernensia, afirma que os homens eram queimados em um manequim de madeira em sacrifício a Taranis. 

Enquanto alguns autores modernos, como Barry Cunliffe estejam convencidos de que os druidas praticavam sacrifícios humanos, outros questionam os relatos de César como uma repetição de rumores sensacionalista como propaganda para incentivar os seus apoiantes quando voltasse à Roma.

No mundo moderno, os homens de vime são usados ​​para vários eventos. Os mais notáveis deles são os usos por neopagãos celtas, embora também tenham sido utilizados como tema para arte performática e festivais de rock de música, canções e filmes.

Os homens de vime são incendiados durante algumas festividades neopagãs. Tipicamente, celtas neopagãos, neodruidas ou wiccanos são aqueles que usam tal tema em seus festivais, porque, ao contrário de outros grupos neopagãos, são inspirados ou seguem uma forma reconstruída do paganismo celta . Em outras ocasiões, neopagãos não queimam os homens de vime, mas mantêm-os como ídolos para a proteção.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s